Make your own free website on Tripod.com

Jogo das Cores Proibidas

Por Isabel Amadeu, Mayra Rossini, Silvana das Neves  - UNIP

Lev Semenovich Vygotsky, nasceu em 5 de novembro de 1896 na cidade de Orsha, país da extinta URSS. Filho de uma família muitíssimo bem estruturada, e de alto poder aquisitivo, teve até os 15 anos professores particulares.

Tanto ele quanto seus sete irmãos, tinham acesso a uma grande biblioteca, que ficava no amplo apartamento onde moravam. Isso facilitava e estimulava o fascínio de Vygotsky pelos estudos. Somente após completar 15 anos, é que teve contato com uma escola convencional, onde permaneceu até concluir o curso secundário. Logo após, ingressou na Universidade de Moscou, para cursar direito, mais por status, que por vocação.

Segundo Marta Khol, Vygotsky tinha grande interesse por literatura, psicologia, história, filosofia, psicanálise, tanto é que paralelamente a faculdade de direito, procurou a universidade popular de Shanyavsky para fazer os cursos que lhe pareciam interessantes e que foram o alicerce de sua vida profissional.

Após formar-se em direito em 1917, voltou para Gomel onde lecionou literatura e psicologia. Sua volta deu-se devido a não conseguir permissão para ficar em Moscou  por seus pais e por sai namorada, com que vem a se casar tempos depois, mesmo já estando tuberculoso.

Houve um período na história de Vygotsky, considerado vazio, pois não houve nenhuma publicação de suas teses. Esse período deu-se de 1917 a 1923 e ainda merece explicações

Em 1924, participou de um congresso em Leningrado, mesmo sendo totalmente desconhecido. Sua participação neste congresso, a princípio, não obteve a menor credibilidade. Todos questionavam quem seria Vygotsky. Para espanto geral, Vygotsky surpreendeu aos seus interlocutores e sua teoria e exposição, foi aplaudida de pé. Em razão disso, recebe do reitor da universidade de Moscou um convite de trabalho, implantando o curso de psicologia. Em virtude disso, muda-se para Moscou com sua família e passa a viver nos porões da universidade, o que prejudicou seu estado de saúde. Nota-se aí a discrepância vivida por Vygotsky: antes em convívio com o luxo, e agora vivendo em condições sub-humanas, pois depois do porão veio o quarto superlotado, onde passou a morar com a mulher e suas duas filhas. (A decadência financeira de sua família deu-se devido à revolução popular contra o Czar)

É interessante ressaltar que Vygotsky dedicava-se  exclusivamente ao trabalho, pois possuía uma quantidade enorme de trabalhos editoriais e pesada carga de aulas. Seus ataques freqüentes de tuberculose, e seu convívio nos sanatórios impediam sua concentração, tanto é que em razão de sua saúde debilitada, nos últimos anos de sua vida, passou a ditar a seus colaboradores suas teorias, e recusava-se a viver: vivia deprimido e queria a morte.

Vygotsky faleceu aos 37 anos em Moscou e deixou 200 trabalhos científicos escritos, ditados e anotados.

SÍNTESE TEÓRICA:

           "Vygotsky preocupou-se com o desenvolvimento humano, o aprendizado e as relações entre desenvolvimento psicológico ao longo da história do homem e da história individual, atribuindo uma “abordagem genética”.

            Ele não formulou uma concepção estruturada do desenvolvimento humano, que pudéssemos a partir daí interpretar o processo da construção psicológica do homem, do nascimento até a idade adulta como fizera Piaget. O que este teórico oferece, são reflexões e dados de pesquisas sobre vários aspectos do desenvolvimento.

            O conceito mais importante para entendermos as teorias vygotyskyana sobre como funciona o cérebro humano é a mediação. De acordo com Vygotsky, "mediação... é o processo de intervenção de um elemento intermediário numa relação; a relação deixa, então de ser direta e passa a ser mediada por esse elemento”. Acrescenta ainda que " A mediação é um processo essencial para tormar possível atividades psicológicas voluntárias, intencionais, controladas pelo próprio indivíduo

            É através do processo de mediação que o indivíduo se relaciona com o seu meio social e, é relevante observar que, através da mediação simbólica é que os homens têm possibilidades de desenvolverem suas funções psicológicas. A mediação simbólica é um instrumento  intermediário que o indivíduo utiliza  para estabelecer um relação entre “sujeito e objeto”. Devemos observar que na relação do homem com o mundo, este, utiliza-se de instrumentos materiais  e instrumentos psicológicos. Portanto, pode-se afirmar que os elementos responsáveis pelo processo de mediação, são os instrumentos e os signos . O primeiro, são ferramentas materiais que irão regular a atividade externa do homem. São tidos como um recurso entre homem e objeto de conhecimento, sendo capazes de ampliar as possibilidades de transformação da natureza. Eles são feitos ou até mesmo buscados para um certo objetivo e irão carregar consigo a função para a qual foram criados. São também um objeto social e mediador da relação entre  homem-mundo. Sua função é provocar mudanças nos objetos e controlar processos da natureza.

É importante lembrar que animais também se utilizam de instrumentos, mas de forma rudimentar. Ainda que esses instrumentos exerçam função mediadora entre indivíduo e objeto, Vygotsky entende como sendo diferentes dos instrumentos humanos. Os animais não são capazes de criar instrumentos com objetivos específicos, e também não guardam esses instrumentos para serem utilizados. Tampouco usam como conquista a ser passada aos do grupo social. Eles têm a capacidade de transformar o ambiente num momento exclusivo, mas não têm a capacidade de cultivar sua relação com o meio, num processo histórico-cultural, como acontece com os seres humanos.

            O segundo elemento são ferramentas que auxiliam o homem nos processos psicológicos, sendo internos ao indivíduo. Com a ajuda dos signos o homem é capaz de controlar voluntariamente sua atividade psicológica e ampliar sua capacidade de atenção, memória e acúmulo de informações. Constantemente recorremos ao uso de signos. A memória mediada por signos tem maior capacidade, que a não mediada.

            Os signos internalizados são como marcas exteriores, elementos que representam objetos, eventos e situações. Essa possibilidade de fazer relações mentais é mediada pelos signos internalizados, permitindo ao homem fazer relações mentais mesmo na ausência dos objetos. Dessa forma, percebe-se que os signos não se mantém como marcas externas isoladas, mas compartilhadas pelos membros do grupo social, o que permite a comunicação entre os indivíduos e a apropriação da interação social. O processo de internalização é mediado pela apropriação e utilização da linguagem. Esta possibilita a interação social entre homens e a internalização dos signos, permitindo a interpretação dos objetos, eventos e situações do mundo real, estabelecendo-se assim o processo de aprendizagem.

            Para Vygotsky, segundo MARTA KOHL OLIVEIRA (2000: 42), "... a principal função da linguagem é a de intercâmbio social: é para se comunicar com seus semelhantes que o homem cria e utiliza sistemas de linguagens."

            Nesse sentido, a linguagem é entendida como um sistema simbólico fundamental a todos os grupos humanos. É considerada a mais humana das funções cognitivas, pois é através da linguagem que podemos transmitir idéias, planejar ações, expressar sentimentos e transmitir os conhecimentos que aprendemos. Vale dizer que enquanto adultos a nossa mente está organizada pela linguagem. É ela que classifica nossos pensamentos, que constitui nossa memória e que nos possibilita o ato de comunicar. Sabe-se também que a linguagem está estruturada em nosso sistema nervoso graças a um processo de aprendizagem da língua, que é realizado pela transmissão social.

A linguagem é um sistema de signos que possibilita o intercâmbio social entre indivíduos que compartilhem desse sistema de representação da realidade. Cada palavra indica significados específicos. É nesse sentido que representa (ou substitui) a realidade. É justamente por fornecer significados precisos que a linguagem permite a comunicação entre os homens.

            Vimos então, que a linguagem é a principal mediadora do homem com o mundo e que desempenha importante papel no processo de humanização, pois sem linguagem não há aprendizagem. É através da linguagem que o homem cria a cultura. Destaca-se ainda que é pela linguagem que o homem organiza o mundo simbolicamente.

            Vygotsky desenvolveu em seus estudos, os conceitos de nível de desenvolvimento real, nível de desenvolvimento potencial e nível de desenvolvimento proximal. Nível de desenvolvimento real refere-se à capacidade de realizarmos tarefas de forma independente, portanto, às etapas já alcançadas e conquistadas pela criança. Estas são resultados de um processo de desenvolvimento já completado e consolidado. O nível de desenvolvimento potencial refere-se à capacidade de desempenharmos tarefas com ajuda de pessoas mais capazes. Este é importante por dois motivos. Primeiro, por captar não somente etapas já alcançadas, consolidadas, como também as etapas posteriores que, com interferência de outras pessoas, afeta significativamente o resultado da ação individual. Segundo, por atribuir uma extrema importância à interação social no processo de construção das funções psicológicas humanas.

Vygotsky define zona de desenvolvimento proximal como a distância entre o nível de desenvolvimento real, que se costuma determinar através da solução independente de problemas, e o nível de desenvolvimento potencial, determinado através da solução de problemas sob a orientação de um adulto ou em sua colaboração com companheiros mais capazes.

            Para Vygotsky, é muito importante essa possibilidade de atuação no desempenho de tarefas por interferência de outra pessoa, pois, segundo ele, não é qualquer indivíduo que pode, sem a ajuda de outro, realizar qualquer tarefa. E ainda, segundo Vygotsky, o aprendizado deve ser cominado com o nível de desenvolvimento da criança e, para isso, deve se levar em consideração os dois níveis de desenvolvimento: real e mental (potencial), que dão suporte para o conceito de Zona de desenvolvimento proximal.      

A partir da concepção de que o aprendizado impulsiona o desenvolvimento, podemos conceber a aprendizagem humana como zona de desenvolvimento proximal, pois ela implica na capacidade de suscitar processos evolutivos, que, entretanto, só estão ativos em situações que envolvam relações entre pessoas.

            A aprendizagem, conforme esta concepção, é um processo social, que ocorre por influência de outras pessoas. Entretanto, salienta-se que, para facilitar sua ocorrência, o professor deverá interferir na zona de desenvolvimento proximal dos alunos, provocando avanços que não ocorreriam espontaneamente. Essa interação não necessita ser somente do professor, mas dos demais indivíduos pertencentes ao processo educativo, como os colegas, por exemplo.

Descrição do trabalho prático

Sujeitos: Tauane (5), Henrique (6), Mariana (7), Douglas (8)

Experimento: A pesquisa foi realizada, em um condomínio fechado na Zona Leste. Isabel Amadeu, Silvana das Neves e Annie Baracat, anotaram e observaram a pesquisa que foi aplicada por Mayra Rossini.

Descrição do Material: Foram usados cartões coloridos, confeccionados em papel espelho, sendo que a cor estava presente nos dois lados do papel. As anotações foram feitas individualmente pelas pesquisadoras citadas acima e comparadas posteriormente. O questionário usado foi aquele fornecido pela orientadora do trabalho (Profª Mônica Cintrão).

Procedimentos para aplicação: As crianças receberam orientações sobre as regras do jogo de acordo com as etapas do jogo, também fornecidas pela orientadora do trabalho.

Respostas das crianças:

  Tarefa 1 – SEM cartões e SEM ajuda

Primeira regra: cores proibidas: amarelo e verde

Segunda regra: não repetir cores

 

Tauane

5 anos

Henrique

6 anos

Mariana

7 anos

Douglas

8 anos

1. Qual é a cor deste brinquedo? (azul)

azul

azul

azul

azul

2. Qual é a cor do sangue?

vermelho

vermelho

vermelho

vermelho

3. Qual é a cor deste lápis? (amarelo)

amarelo

amarelo

Não posso falar

amarelo

4. Qual é a cor da terra?

preto

marrom

marrom

marrom

5. Qual é a cor do Sol?

branco

amarelo

Não posso falar

Não posso falar

6. Qual é a cor das folhas das árvores?

verde

verde

Não posso falar

Não posso falar

7. Qual ´pe a cor da banana?

amarelo

amarelo

Não posso falar

Não posso falar

8. Qual é a cor da maçã?

vermelho

vermelho

vermelho

vermelho

9. Qual é a cor desta bolsa? (marrom)

preto

marrom

marrom

marrom

10. Qual é a cor da grama?

preto

verde

Não posso falar

Não posso falar

11. Qual é a cor deste lápis?

preto

preto

preto

Não posso falar

12. Qual é a cor da Coca- Cola?

preto

preto

preto

preto

13. Qual é a cor deste lenço? (branco)

branco

branco

branco

branco

14. Qual é a cor da laranja?

verde

laranja

laranja

laranja

15. Qual é a cor desta bexiga? (verde)

verde

verde

Não posso falar

Não posso falar

16. Qual é a cor desta caneta? (preta)

preto

preto

preto

Não posso falar

17. Qual é a cor do leite?

branco

branco

branco

Não posso falar

18. Qual é a cor do céu?

branco

azul

azul

azul

      Você acha que ganhou ou perdeu?

Ganhei.

Ganhei.

Perdi.

Perdi.

      O que não podia falar?

Não sei.

Não lembro.

Cor repetida

Amarelo e verde.

      O que mais?

Não sei.

Não lembro.

Amarelo e verde

Cor repetida

  Tarefa 2 –  COM cartões e SEM ajuda

Primeira regra: cores proibidas: azul e vermelho

Segunda regra: não repetir as cores

 

Tauane

5 anos

Henrique

6 anos

Mariana

7 anos

Douglas

8 anos

1. Qual é a cor desta bexiga? (azul)

azul

Azul marinho

Não posso falar

Não posso falar

2. Qual é a cor deste brinquedo? (verde)

verde

verde

verde

verde

3. Qual é a cor do algodão?

branco

branco

branco

branco

4. Qual é a cor do tronco das árvores? (marrom)

marrom

marrom

marrom

marrom

5. Qual é a cor do morango?

verde

vermelho

vermelho

Não posso falar

6. Qual é a cor desta folha de papel?

branco

branco

branco

branco

7. Qual é a cor do café?

marrom

preto

preto

Não posso falar

8. Qual é a cor desta caixa? (vermelha)

vermelho

vermelho

Não posso falar

Não posso falar

9. Qual é a cor deste lápis de cor? (preto)

preto

preto

preto

preto

10. Qual é a cor da casca da maçã?

vermelho

vermelho

Não posso falar

vermelho

11. Qual é a cor deste lápis? (azul)

azul

azul

Não posso falar

Não posso falar

12. Qual é a cor deste brinquedo? (laranja)

laranja

laranja

laranja

Não posso falar

13. Qual é a cor da grama?

verde

verde

verde

Não posso falar

14. Qual é a cor da terra?

preto

marrom

marrom

marrom

15. Qual é a cor da piscina?

branco

azul

Não posso falar

Não posso falar

16. Qual é a cor da Fanta Laranja?

laranja

laranja

laranja

Não posso falar

17. Qual é a cor deste brinquedo?

amarelo

amarelo

amarelo

amarelo

18. Qual é a cor do cabelo da Xuxa?

branco

branco

amarelo

amarelo

      Você acha que ganhou ou perdeu?

Ganhei.

Ganhei.

Perdi.

Perdi.

      O que não podia falar?

Laranja e verde

Não lembro.

Cor repetida

Vermelho e azul.

      O que mais?

Não sei.

Não lembro.

Azul e vermelho

Cor repetida

  Tarefa 3 –  COM cartões e COM ajuda

Primeira regra: cores proibidas: marrom e laranja

Segunda regra: não repetir as cores

 

Tauane

5 anos

Henrique

6 anos

Mariana

7 anos

Douglas

8 anos

1. Qual é a cor da melancia? (dentro)

vermelho

vermelho

vermelho

vermelho

2. Qual é a cor deste lenço? (branco)

branco

branco

branco

branco

3. Qual é a cor desta pasta? (vermelho)

vermelho

vermelho

Não posso falar

Não posso falar

4. Qual é a cor deste lápis (laranja)

laranja

Não posso falar

Não posso falar

Não posso falar

5. Qual é a cor desta borracha? (azul)

azul

azul

azul

azul

6. Qual é a cor do abacate?

verde

verde

verde

Verde amarelado

7. Qual é a cor desta bolsa? (marrom)

marrom

marrom

Não posso falar

Não posso falar

8. Qual é a cor das nuvens?

branco

Não posso falar

Não posso falar

Não posso falar

9. Qual é a cor deste brinquedo? (verde)

verde

Não posso falar

Não posso falar

Não posso falar

10. Qual é a cor deste outro brinquedo? (laranja)

laranja

Não posso falar

laranja

Não posso falar

11. Qual é a cor do ouro?

amarelo

amarelo

amarelo

amarelo

12. Qual é a cor do céu?

branco

Não posso falar

Não posso falar

Não posso falar

13. Qual é a cor deste brinquedo? (verde)

verde

Balançou a cabeça negativamente

Não posso falar

Não posso falar

14. Qual é a cor da terra?

preto

Não posso falar

Não posso falar

Não posso falar

15. Qual é a cor do urubu?

preto

preto

preto

preto

16. Qual é a cor deste brinquedo? (amarelo)

amarelo

Não posso falar

Não posso falar

Não posso falar

17. Qual é a cor da laranja e da mexerica?

laranja

Não posso falar

Não posso falar

Não posso falar

18. Qual é a cor do chocolate?

preto

Não posso falar

Não posso falar

Não posso falar

      Você acha que ganhou ou perdeu?

Ganhei.

Ganhei.

Ganhei.

Ganhei.

      O que não podia falar?

Laranja e marrom.

Azul e laranja.

Laranja e marrom

Laranja e marrom.

      O que mais?

Não sei.

Não lembro.

Amarelo e verde

Cor repetida

  Tabelas

  Tarefa 1

 

Tauane

5 anos

Henrique

6 anos

Mariana

7 anos

Douglas

8 anos

1. Qual é a cor deste brinquedo? (azul)

C

C

C

C

2. Qual é a cor do sangue?

C

C

C

C

3. Qual é a cor deste lápis? (amarelo)

A

A

Não posso falar

A

4. Qual é a cor da terra?

C

C

C

C

5. Qual é a cor do Sol?

Errou a resposta

A

Não posso falar

Não posso falar

6. Qual é a cor das folhas das árvores?

A

A

Não posso falar

Não posso falar

7. Qual é a cor da banana?

A

A

Não posso falar

Não posso falar

8. Qual é a cor da maçã?

B

B

C

B

9. Qual é a cor desta bolsa? (marrom)

Errou a resposta

B

C

C

10. Qual é a cor da grama?

Errou a resposta

A

Não posso falar

Não posso falar

11. Qual é a cor deste lápis?

C

C

C

Não posso falar

12. Qual é a cor da Coca- Cola?

C

B

B

C

13. Qual é a cor deste lenço? (branco)

C

C

C

C

14. Qual é a cor da laranja?

A

C

C

C

15. Qual é a cor desta bexiga? (verde)

B

A

Não posso falar

Não posso falar

16. Qual é a cor desta caneta? (preta)

A

B

B

Não posso falar

17. Qual é a cor do leite?

B

B

B

Não posso falar

18. Qual é a cor do céu?

B

B

B

B

  Tarefa 2

 

Tauane

5 anos

Henrique

6 anos

Mariana

7 anos

Douglas

8 anos

1. Qual é a cor desta bexiga? (azul)

A

A

Não posso falar

Não posso falar

2. Qual é a cor deste brinquedo? (verde)

C

C

C

C

3. Qual é a cor do algodão?

C

C

C

C

4. Qual é a cor do tronco das árvores? (marrom)

C

C

C

C

5. Qual é a cor do morango?

Errou a resposta

C

A

Não posso falar

6. Qual é a cor desta folha de papel?

C

C

C

C

7. Qual é a cor do café?

B

C

C

Não posso falar

8. Qual é a cor desta caixa? (vermelha)

A

B

Não posso falar

Não posso falar

9. Qual é a cor deste lápis de cor? (preto)

C

C

B

C

10. Qual é a cor da casca da maçã?

A

B

Não posso falar

A

11. Qual é a cor deste lápis? (azul)

A

A

Não posso falar

Não posso falar

12. Qual é a cor deste brinquedo? (laranja)

C

C

C

Não posso falar

13. Qual é a cor da grama?

B

B

B

Não posso falar

14. Qual é a cor da terra?

B

B

B

B

15. Qual é a cor da piscina?

B

A

Não posso falar

Não posso falar

16. Qual é a cor da Fanta Laranja?

B

B

B

Não posso falar

17. Qual é a cor deste brinquedo?

C

C

C

C

18. Qual é a cor do cabelo da Xuxa?

B

C

B

B

  Tarefa 3

 

Tauane

5 anos

Henrique

6 anos

Mariana

7 anos

Douglas

8 anos

1. Qual é a cor da melancia? (dentro)

C

C

C

C

2. Qual é a cor deste lenço? (branco)

C

C

C

B

3. Qual é a cor desta pasta? (vermelho)

B

B

Não posso falar

Não posso falar

4. Qual é a cor deste lápis (laranja)

A

Não posso falar

Não posso falar

Não posso falar

5. Qual é a cor desta borracha? (azul)

C

C

C

C

6. Qual é a cor do abacate?

C

C

C

C

7. Qual é a cor desta bolsa? (marrom)

A

A

Não posso falar

Não posso falar

8. Qual é a cor das nuvens?

B

Não posso falar

Não posso falar

Não posso falar

9. Qual é a cor deste brinquedo? (verde)

B

Não posso falar

Não posso falar

Não posso falar

10. Qual é a cor deste outro brinquedo? (laranja)

B

Não posso falar

A

Não posso falar

11. Qual é a cor do ouro?

C

C

C

C

12. Qual é a cor do céu?

B

Não posso falar

Não posso falar

Não posso falar

13. Qual é a cor deste brinquedo? (verde)

B

Balançou a cabeça negativamente

Não posso falar

Não posso falar

14. Qual é a cor da terra?

C

Não posso falar

Não posso falar

Não posso falar

15. Qual é a cor do urubu?

B

C

C

C

16. Qual é a cor deste brinquedo? (amarelo)

B

Não posso falar

Não posso falar

Não posso falar

17. Qual é a cor da laranja e da mexerica?

A

Não posso falar

Não posso falar

Não posso falar

18. Qual é a cor do chocolate?

B

Não posso falar

Não posso falar

Não posso falar

Gráficos

Todas as vezes que a criança respondeu “Não posso falar” consideramos um acerto.

  Tarefa 1

Tauane (5)

Acertos (C)

 

 

 

 

 

 

 

Falar cores repetidas (B)

 

 

 

 

 

Falar cores proibidas (A)

 

 

 

 

 

 

Errar a resposta *

 

 

 

 

* Aqui, nos referimos ao fato da criança ter respondido uma cor que não condizia com a pergunta, e que ao nosso ver é de fácil percepção. Ex.: Qual é a cor do Sol? Branco, ou qual é a cor da grama? preto

Henrique (6)

Acertos (C)

 

 

 

 

 

 

 

Falar cores repetidas (B)

 

 

 

 

 

Falar cores proibidas (A)

 

 

 

 

 

 

 

  Mariana (7)

Acertos (C)

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Falar cores repetidas (B)

 

 

 

 

 

 

 
 
Douglas (8)

Acertos (C)

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Falar cores repetidas (B)

 

 

 

Falar cores proibidas (A)

 


Tarefa 2

  Tauane (5)

Acertos (C)

 

 

 

 

 

 

 

 

Falar cores repetidas (B)

 

 

 

 

 

 

 

Falar cores proibidas (A)

 

 

 

 

 

Errar a resposta *

 

 

* Aqui, nos referimos ao fato da criança ter respondido uma cor que não condizia com a pergunta, e que ao nosso ver é de fácil percepção. Ex.: Qual é a cor do Sol? Branco, ou qual é a cor da grama? preto

 

Henrique (6)

Acertos (C)

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Falar cores repetidas (B)

 

 

 

 

 

 

Falar cores proibidas (A)

 

 

 

 

  Mariana (7)

Acertos (C)

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Falar cores repetidas (B)

 

 

 

 

 

 

Falar cores proibidas (A)

 

   
Douglas (8)

Acertos (C)

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Falar cores repetidas (B)

 

 

 

Falar cores proibidas (A)

 


Tarefa 3

  Tauane (5)

Acertos (C)

 

 

 

 

 

 

 

Falar cores repetidas (B)

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Falar cores proibidas (A)

 

 

 

 

Henrique (6)

Acertos (C)

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Falar cores repetidas (B)

 

 

Falar cores proibidas (A)

 

Mariana (7)

Acertos (C)

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Falar cores proibidas (A)

 

 

Douglas (8)

Acertos (C)

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Falar cores repetidas (B)

 

 

§         Como se apresenta o desempenho da  criança nas tarefas envolvendo memória de instruções que lhe são oferecidas?

Tauane e Henrique estavam preocupados apenas em ganhar o jogo. Não sabiam quais eram as cores proibidas, e não perceberam que não podiam falar as cores que já haviam falado uma vez.

Mariana saiu-se melhor em relação ao cores proibidas do que em relação a memorização das cores já faladas. Para ela era mais importante não falar o proibido, do que repetir as cores. Ao final de todas as fases, soube responder quais eram as cores proibidas e sabia que não podia ter repetido cores.

Douglas sabia quais eram as cores proibidas e não as falava, mas não conseguia memorizar as cores que já havia falado. Percebemos, que sua preocupação em ganhar o jogo era tanta, que na dúvida de ter falado ou não uma cor, preferia dizer “não posso falar”.

 

§         Como se apresenta o desempenho da  criança nas tarefas envolvendo memória de instruções que lhe são oferecidas em que ela pode utilizar recursos externos consistindo em cartões coloridos?

Em nenhuma faixa etária ou etapa, o fornecimento dos cartões foi útil. As crianças olhavam os cartões somente no momento em que o pesquisador dizia que agora teriam os cartões para usar como quiserem, mas não faziam uso dos mesmos, pois não sabiam como.

 

§         Como se apresenta o desempenho da  criança nas tarefas envolvendo memória de instruções que lhe são oferecidas em que ela pode utilizar recursos externos, consistindo em cartões coloridos e contar com a ajuda do adulto?

Tauane sabia que não podia falar as cores proibidas, sabia também que deveria separar os cartões já falados, mas não os separava. Só o fazia quando lembrada. Ao falar a cor proibida e ser questionada do por quê havia falado, se sabia que não podia, ela apenas respondia “porque sim”.

Henrique tinha que ser lembrado o tempo todo sobre o que deveria fazer. Não retirou nenhum cartão espontaneamente, só quando lhe perguntavam “o que você tem que fazer agora?”. Depois de perguntado sobre alguma cor que já havia falado, ele consultava os cartões antes de responder.

Mariana consultou os cartões proibidos durante todo o jogo, e separou-os imediatamente após a explicação. Retirou os cartões das cores repetidas sem precisar ser lembrada.

Douglas utilizou os cartões sem que precisasse ser lembrado. Ouviu a primeira explicação e entendeu perfeitamente. Deixou os cartões embaralhados, e só separou as cores proibidas quando estas lhe foram perguntadas. Ao separar esses cartões, colocou-os em lugar diferente daqueles das cores repetidas.

 

§         Há variação do desempenho da criança, quando comparada consigo mesma nas três diferentes condições estudadas?

Todas as crianças tiveram desempenhos semelhantes na 1ª e 2ª fases, e melhor desempenho na 3ª fase. Isso deu-se devido ao uso dos cartões. Acreditamos que Tauane, mesmo não usando os cartões de forma satisfatória nem na fase 2 nem na fase 3, nem tendo acertado nenhuma pergunta, obteve melhor desempenho na 3ª fase por saber que não podia falar determinadas cores e repetir outras. No momento em que as perguntas eram feitas, ela respondia aleatoriamente, só se preocupando com a cor daquilo que lhe era perguntado. Após a resposta, ao lhe perguntar se ela podia ter dito aquela cor, ela dizia que não, pois o cartão estava no lugar dos proibidos ou dos repetidos. Ao ser questionada do por quê ela falou a cor já que sabia que não podia falar, ela respondia apenas “porque sim.”. Isso se dá devido ao fato do egocentrismo da criança, que acha que a resposta dela é a certa e pronto, e também pelo fato de gostar de quebrar regras.

 

§         Que estratégias verbais e não verbais a criança utiliza  durante a execução das tarefas propostas nas condições estudadas?

Todos com exceção de Tauane utilizaram “não posso falar”. Henrique balançou a cabeça negativamente algumas vezes, e Tauane utilizou-se do “porque sim”.

 

§         Como se dá a interação com o adulto na condição em que a criança pode contar com sua ajuda? Em qual faixa etária essa atuação é mais eficiente?

Todos mostraram-se participativos e interessados. Mariana sorriu o tempo todo e Douglas parecia muito concentrado. Henriques mostrou-se tímido e inseguro e só realizou o teste na presença do irmão mais velho. Tauane, mostrou-se desatenta.

A interação entre a criança e o adulto é mais eficiente nas idades de 7 e 8 anos.


Bibliografia

 

 

Voltar